Ao vivo lá em casa, de Arnaldo Antunes

Um dos argumentos mais consistentes em defesa das lojas físicas de livros e discos, e também das locadoras de DVDs – espaços ameaçados pelas imensas facilidades do mundo virtual -, é o do amor. Mas o que tem a ver o amor, esse sentimento nobre, com a sobrevivência de empresas, negócios, pilares do sistema capitalista que, dizem muitos, é injusto e cruel?

Todos esses locais são pontos de encontro de pessoas. Sejam encontros marcados ou ao acaso. Mas é o acaso, o imponderável, que muitas vezes opera pequenos milagres.

Uma livraria pode unir dois professores de filosofia solteiros convictos e descrentes no amor, porém apaixonados por Nietzsche. Pode aproximar dois leitores de gêneros tão díspares quanto o realismo mágico sulamericano e a poesia concreta brasileira. Esses são pequenos milagres. Grandes milagres, como o de fazer uma leitora de autoajuda conquistar um leitor de notáveis romancistas ingleses está na lista de acontecimentos raríssimos ou até impossíveis.

Pode-se dizer o mesmo sobre as lojas de discos e locadoras de filmes. Quantos e quantos casais não foram formados graças a essas pequenas coincidências, como duas pessoas estarem em busca, no mesmo momento, do mesmo disco, e só haver um na loja? Ou estarem procurando bons filmes para assistir e um começar a fazer indicações ao outro?

É claro que, com a internet, muitos casais que jamais poderiam se conhecer, caso dependessem de estar fisicamente no mesmo lugar (escrevi isso e depois pensei “como se pudessem estar no mesmo lugar de outra maneira que não fisicamente”, mas relevem), se conheceram, se apaixonaram e estão juntos até hoje. Mas essa não pode ser a única maneira de iniciar um relacionamento. É preciso deixar espaço aberto para o acaso, para o imponderável.

Um outro argumento em defesa das lojas físicas de livros e discos, e também das locadoras de DVDs, é que estando em um desses espaços as chances de encontrarmos casualmente boas obras é bem maior.

Foi assim, por acaso, que encontrei o disco “Ao vivo lá em casa”, de Arnaldo Antunes. Como não sou um grande fã seu, não soube do lançamento do disco, no fim de 2010. Mas, levado pelo impulso, e por detalhes como as participações especiais do Demônios da Garoa, Erasmo Carlos e Jorge Ben Jor, além da participação de Edgard Escandurra na banda de apoio, e do fato de o show ter sido gravado na casa de Arnaldo, trouxe “Ao vivo lá em casa” para a minha.

A aquisição, arriscada e impulsiva, mostrou-se mais que providencial. Pode-se dizer que a escolha das 14 músicas para compor essa amostra do show lançado em DVD de mesmo nome – que contém 24 canções – foi perfeita. São poucos os discos ao vivo tão bons, com músicas tão boas.

No caso de “Ao vivo lá em casa”, sete canções são de álbuns de estúdio de Arnaldo, uma vem da trilha sonora do filme “As melhores coisas do mundo”, e as outras seis são covers.

O disco é quase inteiramente permeado pelo tom “iê-iê-iê”, da jovem guarda. Influência de seu último disco de estúdio, cujo título é, justamente, “Iê Iê Iê”.

Artista multifacetado, Arnaldo Antunes se aproxima maravilhosamente do pop tanto com “Iê Iê Iê” quanto com este “Ao vivo lá em casa”. Fica difícil até eleger as melhores músicas do disco, tamanho o seu equilíbrio e a sua qualidade. Mas é preciso destacar, pelo menos, o belíssimo cover que Arnaldo faz de “Pra aquietar”, música de Luiz Melodia, a excelente canção que é “Meu coração”, do álbum “Iê Iê Iê”, a divertidíssima “As árvores”, parceria de Arnaldo com Jorge Ben Jor, que conta com a participação especial deste, a singela “As melhores coisas”, a “demoníaca” “Já fui uma brasa” (com participação do Demônios da Garoa) e a enérgica “Cachimbo”. Esta, inclusive, com um novo arranjo, bem melhor que a versão que está no disco “Saiba” (2004).

Talvez “Ao vivo lá em casa” tenha ficado pop demais para os fãs mais ortodoxos de Arnaldo Antunes, conhecido por seus experimentalismos e tom às vezes soturno. Porém, para aqueles que não conhecem ou pouco conhecem o trabalho do ex-Titãs, é um disco que vai agradar, e muito. Principalmente por causa do sentimento de alegria que o disco passa para quem ouve.

Para encerrar este post com um chavão jovemguardiano, “Ao vivo lá em casa” é uma brasa, mora?

This entry was posted in Música. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

11 Comments

  1. Wellington Machado
    Posted March 8, 2012 at 20:32 | Permalink

    Valeu pelo post, Rafa!

    Que música bacana e que ideia genial do Arnaldo fazer esse show em casa…

    abs

  2. Dele
    Posted March 12, 2012 at 18:40 | Permalink

    A essência do Arnaldo continua íntegra… sou muito fá!

  3. Alberto Lima
    Posted March 12, 2012 at 20:06 | Permalink

    Sou fã desde da época do Titãs. Esse disco do Arnaldo coroa a sua genialidade criativa. Parabéns e curta bastante o DVD, pois aqui em casa é trilha sonora.
    Um abraço

  4. Fábio Garbin
    Posted March 12, 2012 at 20:08 | Permalink

    Gosto muito do trabalho do Arnaldo Antunes.. o disco Ao Vivo lá em casa é muito bom mesmo..

    O lançamento mais recente do Arnaldo Antunes em parceria com Edgard Scandurra (A Curva da Cintura – http://www.acurvadacintura.com.br/) também vale a pena.

  5. Carlos Filho
    Posted March 12, 2012 at 20:36 | Permalink

    Posso me considerar um fã um pouco ortodoxo do Arnaldo Antunes, ou já fui ortodoxo. Eu tinha um pé atrás toda vida que o som dele soava mais pop, e definitivamente não gostei (a princípio) do disco “Iê Iê Iê”, mas isso por meu preconceito com a jovem guarda.

    Não sei se pela qualidade ou pela tietagem, certamente uma mistura dos dois, ele me dobrou e hoje adoro o disco, não me importo se é pop ou não, me importo que é bom!

  6. Carlos Filho
    Posted March 12, 2012 at 20:37 | Permalink

    Ia esquecendo, cheguei aqui através de um tuíte do perfil do próprio.

    • Rafael Rodrigues
      Posted March 12, 2012 at 21:08 | Permalink

      obrigado pelo aviso, Carlos! já ia começar a procurar a razão de tantos comentários repentinos!

  7. mila
    Posted March 13, 2012 at 19:58 | Permalink

    Há 6 meses este é o dvd mais visto lá em casa! Mas o gde fã de arnaldo antunes é meu filho de 2 anos q na incansável necessidade da repetição, própria da idade, aprendeu a falar , cantando as ótimas músicas do iê iê iê. Fui obrigada até a realizar sua festa com tema ao vivo lá em casa com réplica do palco como decoração de mesa! Até uma criança percebe a qualidade deste trabalho q foi muito bem reproduzido ao vivo nos shows! Salve arnaldo antunes e banda!

    • Rafael Rodrigues
      Posted March 13, 2012 at 22:41 | Permalink

      olha só! que bacana, mila!

  8. Isabela
    Posted April 17, 2012 at 16:55 | Permalink

    Oi Rafael!!!

    Você não tem ideia do quanto estou amando ler seu blog e as descobertas que estou fazendo. Te achei no twitter tb. E fiquei mais surpresa ainda ao saber da publicação de um livro seu. Nem me contou nada. Adoraria ter um exemplar dele.
    Ah… as lojas de livros e disco… me perco (e vc sabe disso – rsrsrsrs). Viajo nas ideias, nas palavras, e me descubro também.
    Esse disco do Arnaldo não conheço, mas vc sabe q eu anoto as dicas que me são dadas.

    Um grande abraço… 🙂

    • Rafael Rodrigues
      Posted April 18, 2012 at 00:15 | Permalink

      obrigado pelos comentários, Isabela! quando você for lá na loja de novo te mostro o livro 🙂

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*