Que outrora

As tuas mãos
Que outrora passearam pelo meu corpo
E me fizeram sentir sensações outras

Os teus olhos
Que outrora cruzaram tantas e tantas vezes com os meus
E me fizeram derramar lágrimas outras

Os teus lábios
Que outrora beijaram os meus e além de…
E me fizeram arfar ares outros

As tuas narinas
Que outrora sentiram os cheiros meus
E me fizeram quase me perder de mim

Os teus ouvidos
Que outrora ouviam meus lamentos
E recebiam com prazer minha língua

Nada disso tem mais sentido
A sete palmos do chão

* Poema escrito há mais de dois anos, certamente sob influência de Augusto dos Anjos, Olavo Bilac e/ou Álvares de Azevedo, que acabei de achar no 3 Vozes. Se o lapidasse, acho que conseguiria torná-lo um poema digno. Mas tenho preguiça.

This entry was posted in A vida como ela é. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

One Comment

  1. Cássia
    Posted November 18, 2008 at 17:56 | Permalink

    Tenha preguiça não, eu achei bem interessante. Bjs

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*