Livraria não é biblioteca (nem parque de diversões)

Um dia desses me perguntaram se a livraria empresta livros. Como se estivesse respondendo a uma pergunta normal, em vez de uma pergunta estapafúrdia, respondi que não e tal, mas depois que o cara virou as costas, perguntei aos céus o que ele estava pensando da vida.

Tem gente que acha que livraria é biblioteca. Entra, pega um livro, senta numa mesinha, começa a ler e vai embora. Seria normal, se alguns não fizessem isso todos os dias e marcassem onde pararam de ler, para retomar a leitura no dia seguinte. Recentemente um senhor terminou de ler um assim, e já emendou outra leitura. É impressionante. Tem que ter muita paciência e força de vontade.

Livraria também não é parque de diversões. Quase todos os dias pais e mães soltam seus filhos lá. E salve-se quem puder. A pirralhada corre, pula, deita no meio da loja, senta na escada, sai tirando tudo quanto é livro do lugar e colocando só Deus sabe onde. É uma algazarra sem tamanho. Os pais fazem de conta que não enxergam, que está tudo bem, que é muito bonitinho-guti-guti os filhinhos deles bagunçarem toda a loja.

No calor da situação, dá vontade de dar uns cascudos na gurizada. Mas o certo mesmo seria dar umas palmadas nos pais, que não ensinam aos filhos aquela coisa arcaica que alguns conhecem como “bons modos”.

This entry was posted in Histórias de livraria. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

5 Comments

  1. Cássia
    Posted June 17, 2008 at 17:11 | Permalink

    Emprestar livro na livraria? Essa foi demais.

  2. Guga Schultze
    Posted June 18, 2008 at 09:48 | Permalink

    Muito bom! E falando nisso, desconfiei que meu filhote devia se comportar mais dentro de uma “levaria” – como ele diz, e que é um lugar que ele adora – mas o grande problema dos pais é o contraste de energias: cada pimpolho desses tem dez vezes a sua energia, ou mais. De forma que os pais TEM que ficar econômicos com suas próprias reservas… senão eles, pais, morrem, acho… é uma questão de sobrevivência, eheheh
    Mas ótima a crônica! Abs

  3. Posted June 18, 2008 at 15:16 | Permalink

    Poxa, algumas livrarias têm poltronas tão confortáveis que, quando eu tinha mais tempo, lia livros inteiros na livraria, caso não os encontrasse no sebo para comprar. É uma maneira de economizar quando as vacas estão magras… Porque vamos combinar que livro não é barato.

    A Cultura, aqui em SP, parece que até estimula essa prática. Lá todo mundo senta, relaxa e lê sem a menor cerimônia. Já vi gente ficar lá por hoooras… E acho que não é prejuízo porque, no fim das contas, se a pessoa volta várias vezes à livraria só para terminar de ler, ela é traça. E traça que é traça acaba comprando o livro mais cedo ou mais tarde se ele for bom ou a edição bem caprichada.

    Quanto às crianças, concordo 100%. Tem pai que acha que os locais públicos são extensão de sua sala.

    bjs

  4. Posted June 19, 2008 at 10:51 | Permalink

    Este seu texto ficou parecendo coisa do Bernie Rhodenbarr, aquele ladrão dos livros do Lawrence Block que tem uma livraria em Nova York e à noite sai pra assaltar.

    Gostei da dica do marcador !

  5. Posted June 22, 2008 at 02:02 | Permalink

    Ah, babe, pois eu ja li um livro inteirinho na livraria, numa sentada só. Passei a tarde lá, na cara de pau hahahaha

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*