Não é inspiração

Não estou aguentando minha própria genialidade. Acabei de escrever mais um texto digno de efusivos e demorados aplausos, depois de já ter escrito o esqueleto de um outro tão genial quanto.

Tenho medo de não conseguir conviver com isso e sofrer de um mal que assola alguns gênios: eles não aguentam tanta genialidade e mudam de vida. É como se Kafka resolvesse parar de escrever depois de escrito os primeiros contos, e fosse viver sua vida de bancário, sem nunca mais dar atenção à literatura.

É óbvio que estou brincando. Mas realmente escrevi dois textos bons em três dias. E como isso é bom, meu Deus. Melhor só se eu pudesse dormir até meio-dia hoje.

This entry was posted in A vida como ela é. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

One Comment

  1. Maíra
    Posted October 29, 2007 at 07:43 | Permalink

    Oi Rafael,
    Não sei se lembra de mim… mas, sou uma leitora costumás de seus textos…. o conheci no 3vozes.( que sei que está apenas adormecido)
    Bem, ainda sigo o Thiago no quatro patacas e não vou fazer diferente com vc…
    Só queria me apresentar e dizer que posso não postar sempre…mas leio tudo … e que aqui do planalto central acompanho seus devaneios, delírios e paixões ( são paulo?, uma dia falemos sobre)srs …
    beijo

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*