40

Gosto de inventar coisas.
Principalmente coisas inúteis.
Por isso mesmo umas pessoas chamam-me poeta, outras vagabundo.
Infelizmente são mais as pessoas que me chamam de vagabundo.
Mas tudo bem.
O mundo sempre foi assim.
Sempre houve maior número de idiotas do que de outras pessoas.
A isso chama-se multidão.

Trecho de “40“, poema de Gonçalo M. Tavares em “O homem ou é tonto ou é mulher“.

This entry was posted in Citações, Livros. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

3 Comments

  1. Posted February 22, 2007 at 08:11 | Permalink

    Só para avisar: não tente ganhar desconto como revisor. hehehe

  2. Américo Leal Viana
    Posted February 22, 2007 at 13:44 | Permalink

    Sem encontrar outro espaço, uso esse para te dizer, Rafael, que “fuçando” aqui e ali na internet, entre blogs, links etc e tal, encontrei esse teu (mas não foi por acaso, pois já venho seguindo teus passos no Digestivo), e gostei do que vejo. Mas é sempre assim, sempre quem e escreve – e é meio metido a escritor, não tem vez. Parabéns.

  3. Cássia
    Posted February 22, 2007 at 15:02 | Permalink

    Um dos trechos que gostei também, ia até comentar com você mas acabei esquecendo. 😉 gostei do livro.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*