Toy Story 3

Existe um ditado que diz mais ou menos o seguinte: não importa onde você chega, mas sim o caminho que você percorreu até lá. Pois: só as tentativas de assistir a “Toy Story 3” já renderiam um post. Foram 3, e ainda bem que o filme ficou em cartaz por um bom tempo, porque somente ontem conseguimos (mais uma vez minha bem-amada e eu) vê-lo. Não sem alguma dificuldade, claro. Mas, parafraseando Fernando Sabino, no fim deu certo.

“Toy Story” é um filme que faz parte da vida de quase todo mundo da minha geração. O primeiro foi lançado em 1995 e marcou época não apenas por conta de sua bela história, mas também por ser considerado o primeiro longa-metragem totalmente feito com computação gráfica. Eu tinha 12 anos e me emocionava com filmes ainda mais do que hoje. Até a música principal, “You’ve got a friend in me” – ou “Amigo, estou aqui” na tradução -, me fazia chorar.

“Pulei” o “Toy Story 2” (1999), mas quando soube que o 3 seria lançado decidi que assistiria no cinema. Revi o “1” e foi como se estivesse o assistindo pela primeira vez. Me diverti à beça, e talvez esteja aí o segredo não apenas desta trilogia, mas de vários filmes da Pixar ou outras animações: eles são diversão garantida. Mais que isso: esses filmes resgatam valores que têm sido esquecidos e – em último caso mas não menos importante – de certa forma servem de lição para as crianças. (E para muito adulto por aí.)

“Os Incríveis”, “O galinho Chicken Little”, “Wall-E”, “Up – Altas aventuras”… Todos filmes que, além de engraçados e divertidos, têm algo a dizer. Eles têm mensagens importantes e edificantes, que merecem ser passadas. Não são apenas entretenimento. Nada contra a diversão pura e simples, não é isso, mas estamos vivendo em uma época de fragmentação, de transformações muito grandes e rápidas. Toda essa velocidade e correria muitas vezes podem nos deixar presos a uma rotina automática demais, fria demais… Acabamos distantes de pessoas e sentimentos que realmente importam.

“Toy Story 3”, assim como o “1” – lembrando que não vi o “2” -, tem como pano de fundo a ida de Andy, dono de Woody, Buzz Lightyear e companhia, para a faculdade. Ele já não brinca com os brinquedos há anos, e agora que está saindo de casa é que não vai mesmo utilizá-los. Os brinquedos então ou serão doados, ou irão para o lixo. Mas esse é só mais um ponto de partida para o tema fundamental do filme, e de todos os outros dois, imagino, que é a amizade.

Afinal, quantos de nós na faixa dos 25 a 30 anos temos amigos há uma ou duas décadas? Quantos de nós temos amizades verdadeiras e duradouras, daquelas que você chama o amigo de irmão – ou a amiga de irmã? (Espero sinceramente que todos.) Agora, quantos de nós temos amizades feitas pela internet que duraram 1 ou 2 anos e depois “esfriaram”? Bom, é verdade que amizades “reais” podem ser desfeitas rapidamente, e algumas “virtuais” podem durar por décadas e ultrapassarem as barreiras da internet. Mas me parece que estamos perdendo um pouco do contato pessoal, do olho no olho. Enfim, já estou divagando. E é melhor encerrar o post por aqui para não ficar ainda mais piegas.

Se você ainda não assistiu a “Toy Story 3” – ou nenhum dos 3 – vá correndo assistir. E não tenha vergonha de chorar, seja lá qual for a sua idade, porque o “risco” de isso acontecer é grande.

This entry was posted in Filmes. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

7 Comments

  1. KarinaGiassi
    Posted July 19, 2010 at 13:25 | Permalink

    Concordo plenamente. Os filmes da Pixar têm um “algo a mais” além da boa e velha diversão. Eles conseguem como ninguém a fusão de animações/desenhos com sentimentos verdadeiramente humanos.

  2. Posted July 20, 2010 at 06:03 | Permalink

    Ahh…eu ainda n assisti…tb nunca da certo…oq será isso? Quero assistir ele e Shrek. Estava louca pra ver em 3d + pelo andar da carruagem terei que ver em dvd mesmo hehehehe
    Bjão Rafa!

    Sucesso ae!

  3. Posted July 20, 2010 at 11:05 | Permalink

    Rafael,

    Concordo plenamente! Fui ver Toy Story 3 com muito medo, porque o filme (especialmente o primeiro, mas eu vi o segundo, que é muito bom também) me remetia à minha infância e eu não queria que ela fosse destruída porque a Pixar poderia estar querendo ganhar mais algum dinheiro pra pegar os bestas, hehehe.

    Mas, como é a praxe da Pixar, o filme foi lindo e altamente recomendável para crianças E adultos. Sempre vejo esses filmes com a desculpa que estou apenas acompanhando o meu irmão pequeno, mas consigo notar que a minha emoção em ver esses filmes é sempre maior que a dele, que já está entrando na fase blasé da pré-pré-adolescência, como eu gosto de dizer, rs.

    O meu único ressentimento quanto ao filme é que eu assisti em 3D, o que me incomoda bastante, já que eu tenho que usar os óculos por cima dos meus óculos e aí fica uma coisa horrível de ver.

    Acho que é porque eu sou old school mesmo… Hehehe

    Beijo grande,

    Marianna.

  4. Táia
    Posted July 22, 2010 at 15:29 | Permalink

    Veja o 2, é melhor do que o 1, vale muito a pena.

  5. Rubens
    Posted August 2, 2010 at 22:29 | Permalink

    Toy Story 2 é um dos melhores. E Galinho Chicken Little é da Disney, não da Pixar.

    • Rafael Rodrigues
      Posted August 2, 2010 at 22:33 | Permalink

      Rubens, foi bom você falar, mas não cheguei a dizer que o Galinho é da Pixar. De qualquer modo, é bom pra evitar mal-entendido! Abraço!

  6. Ailton
    Posted November 6, 2010 at 22:45 | Permalink

    Báh, tem toda a razão! Assisti todos os filmes Toy Story e confesso que o 3 marcou muito mais. Não aguentei o final do filme e fiquei chorando por um bom tempo ao lado dos meus irmãos na sala de cinema! Impossível não se controlar….

Post a Reply to Marianna Cataldi Cancel reply

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*