Uma referência ética

Acabo de saber do falecimento do senador Jefferson Péres. Um dos poucos políticos que podemos chamar de honrados. E que seria o atual vice-presidente do Brasil, se a população tivesse eleito Cristovam Buarque na última eleição.

***

O filho do ministro Hélio Costa vai ser exonerado de seu cargo fantasma. Mas isso não resolve o problema. O ministro deve ser afastado do cargo, ou até mesmo exonerado. Deve ser investigado, também, o prefeito de Belém (PA), Duciomar Costa, que foi quem colocou o fantasma do filho do ministro na folha de pagamento do governo. E o filho do ministro tem, por obrigação, que devolver aos cofres públicos todos os salários que recebeu durante todos esses anos.

Peço um favor aos blogueiros que eventualmente frequentam este blog, que se interessam por política e ainda conseguem ficar indignados com esse tipo de coisa: postem, em seus blogs, algo sobre esse caso. Qualquer coisa. Se quiserem, podem até copiar o post daqui. Comentem o caso com amigos, coloquem o assuntos nas rodas de chope. Se for necessário, vamos enviar uma enxurrada de emails para a Veja, que quer derrubar o governo, para que o sensacionalismo dela ajude a isso vir a se tornar um escândalo dos grandes. O que importa é fazer essa informação chegar ao maior número de pessoas possível. Isso precisa ser investigado. Certamente há mais funcionários fantasmas no congresso, e isso precisa ser descoberto, revelado e corrigido.

This entry was posted in A vida como ela é. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Renata Miloni
    Posted May 23, 2008 at 12:21 | Permalink

    Leia o post de hoje do Tas.

  2. Posted May 23, 2008 at 15:41 | Permalink

    Fiz uma postagem a respeito!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*