Trocando os Laços

Sábado uma garota perguntou se tínhamos “Laços de família” na livraria. De imediato lembrei da novela de mesmo nome, de Manuel Carlos, que há alguns anos ocupou o horário nobre da tevê Globo. Sem pestanejar, com aquele ar de quem tudo sabe, fuzilei: “de Manoel Carlos?”.

Talvez para não ser indelicada comigo, ela respondeu que não lembrava o nome do autor. A caminho do computador para consultar se havia o livro no estoque, fui me sentindo mais idiota a cada passo que dava. Quando digitei o título e vi o nome de Clarice Lispector depois de apertar “enter”, reconheci minha clamorosa falha: “nossa, é da Clarice, como é que fui esquecer?” A garota, talvez para ser mais uma vez gentil, disse a mesma coisa.

Não comentei mais aqui, mas até que estamos vendendo um pouquinho mais de literatura, ultimamente. Também no sábado, uma outra garota entrou querendo comprar algum livro de Mario Quintana, mas que fosse de poesias. Como eu já tinha folheado “Da preguiça como método de trabalho“, sugeri-ô-ô, frisando que era prosa. Ela deu uma olhadinha e acabou levando.

Outros livros que foram vendidos recentemente – ambos sem a interferência de nenhum vendedor, infelizmente – foram “Moby Dick” (edição nova da Cosac) e “Divina Comédia” (a caixa da Editora 34).

Há um exemplar de “O som e a fúria” dando sopa por lá, espero que saia logo. Chegaram uns livros do Bioy Casares, espero que alguma boa alma os compre. Coisa fina, de primeira, mas não são pro meu bico – ainda. A literatura argentina, na minha opinião, é como um sanguessuga, se você não tomar cuidado. Você, no caso, leitor que deseja se tornar escritor. A tentação de imitar os argentinos é enorme. Então, ao menos antes de você decidir que caminho ficcional trilhar, é bom evitar os hermanos. Ler um ou outro, de vez em quando, é bom. Mas ler vários, em curtos espaços de tempo, não aconselho.

Mas quem sou eu pra aconselhar, ein? Troquei Lispector por Carlos…

This entry was posted in Histórias de livraria. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

4 Comments

  1. Posted June 9, 2008 at 21:20 | Permalink

    Não acredito que o Moby Dick saiu assim tão rápido! Quinta-feira estive lá e já se foi assim, sem nem se despedir de mim (risos). Poxa vida ainda falei com Jaqueline, a moça do caixa, que ia me dar de presente de aniversário ou pelo menos pedir ao Jeff para me dar.
    Engraçado, os contos que mais gosto escritos pela Clarice Lispector está bem nesse Laços de Família. Adoro “Feliz Aniversário” e “Desvaneio e Embriagez duma Rapariga”.

  2. Rafael Rodrigues
    Posted June 9, 2008 at 22:54 | Permalink

    Pois é, dona Amábile, Moby Dick já foi hehehe Eu queria me dar ele de presente também, mas a grana tá curta, e eu não leria tão cedo… Seria um pecado comprá-lo para não ler hehehe

  3. Posted June 13, 2008 at 17:58 | Permalink

    não tive tempo de ler o post inteiro, quero voltar aqui depois, mas eu me diverti com tua pergunta quando a cliente pediu laços de família. você não é o primeiro a confundir. meu irmão se confundiu uma vez também, se eu não me engano. hoje em dia eu não gosto tanto da literatura da clarice, mas tem uns contos do laços de família que eu sempre vou gostar muito. o búfalo é óotimo.

  4. Rafael Rodrigues
    Posted June 13, 2008 at 22:44 | Permalink

    Paula, adoro a Clarice. O romance “A paixão segundo G.H.” é simplesmente genial. “Laços de família” é um livro de contos raro em nossa literatura, porque quase não há desnível. Praticamente todos os contos são excepcionais. Claro que gostar mais ou gostar menos varia de pessoa pra pessoa, mas acho que numa coisa concordamos: ela foi genial.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*