Serviço público

“Acreditava que seu grande erro fora ter ingressado no chamado serviço público, o que significara para ele nada menos que sua destruição sistemática – primeiro, a destruição intelectual e, por fim, também a destruição física. Quem entra para o serviço público, disse-nos ele, por qualquer razão que seja e em que cargo for, é destruído e aniquilado. (…) O serviço público aniquila todo aquele que nele ingressa. No Estado, pouco importa a que senhor se pretenda servir: será sempre o senhor errado.”

Trechos do conto “Serviço público”, de Thomas Bernhard, no livro “O imitador de vozes“. A História prova que a situação não é tão trágica como Bernhard a descreve – vide o sem número de grandes escritores brasileiros que foram servidores públicos. Mas, na época deles, ao menos até onde sei, não era nada difícil bater o ponto, deixar o paletó na cadeira e pular fora do trabalho. Minha experiência pessoal prova que, além de hoje não dar mais para fazer isso, a aniquilação e a destruição são temores que devem ser levados a sério.

Não que eu pregue a fuga do trabalho, longe disso. É só uma observação.

This entry was posted in Citações, Livros. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

One Comment

  1. Posted January 22, 2010 at 12:38 | Permalink

    O serviço público das décadas passadas (que certamente era mais brando do que hoje), fez muito bem à literatura. Temos pelo menos dois exemplos famosos: Drummond e João Cabral.
    Tenho grande interesse em ler o Thomas Bernhard. Sempre vejo falar do livro “O Náufrago”.

One Trackback

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*