Sangue, óculos e livros

Anteontem, esperando a seringada que iria levar alguns MLs do meu sangue, o técnico de laboratório diz, no meio de uma conversa sobre não lembro que assunto:

“Pior do que está não pode ficar.”

Ao que respondo:

“Não diga isso, não diga isso…”

***

Ontem, no oftalmologista, recebo a notícia de que voltarei a usar óculos. Na verdade, eu até queria. À noite tem sido uma droga sair, porque o vento bate no rosto e irrita os olhos. Um óculos pode ajudar a diminuir o impacto invisível nas minhas pupilas.

Ao sair do consultório, com ambas dilatadas, pensei que faria tal qual Russell Crowe em “O Gladiador”, macho até não mais poder – só escorrega naquele finalzinho fresquinho mas até legal -, e voltaria para casa andando, enfrentando o sol a pino que atingia meus belos olhos castanhos. Mas, claro, não sou um gladiador e me escondi numa galeria, esperando meu velho pai me salvar do sol “cegante”.

***

Se vocês não comprarem meus livros na Estante Virtual, terei de declarar falência pessoal (rimou!). Hoje chegaram uns que eu havia encomendado porque tinha feito algumas vendas por lá. Mas acontece que não se pode contar com algo que não se tem, e os compradores desistiram de comprar – vejam só que mundo, meu Deus! Os compradores desistiram de comprar! Onde é que isso vai parar? Os vendedores vão desistir de vender? E depois, o quê? O fim?

Mas enfim. Foram uns livros pockets que estavam por R$ 9,90 na Saraiva (eu avisei a vocês, eu avisei…). Então, hoje à tarde, estava deitado com Balzac e suas “Ilusões perdidas”, Eduardo Galeano e o seu “Livro dos abraços”, além de Flaubert acompanhado de sua “Madame Bovary” e, claro, o velho Fitz, com o seu “Os belos e malditos”.

Foi então que descobri, depois de alguns minutos: não preciso ler todos esses livros. Basta deitar perto deles e absorver seu conteúdo, por osmose. Hoje, depois de passar alguns minutos rodeado por eles, levantei e simplesmente tudo ficou claro para mim: sou o mais novo gênio literário do século, algo ali entre Scott Fitzgerald e Balzac, com toques de Flaubert e, claro, um pouco da verve latina via Eduardo Galeano. Agora ninguém me segura.

This entry was posted in A vida como ela é, Contos, Literatura, Livros. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

5 Comments

  1. david.leinad
    Posted April 10, 2009 at 11:51 | Permalink

    parabéns. queria eu deitar em minha estante, e por osmose me tornar um pouquinho de cada autor ali. sorte par ti na sua empreita de mais novo pupilo das letras.

  2. Rafael Rodrigues
    Posted April 10, 2009 at 12:25 | Permalink

    David, obrigado pelo(s) comentário(s)! Mas, cuidado: parte do post acima é uma piada. Não sou gênio coisíssima nenhuma e lerei todos os livros citados hehehe Um abraço!

  3. Thiago
    Posted April 12, 2009 at 23:55 | Permalink

    Rapaz, eu durmo todo dia ao lado de minha estante de livro se for assim eu sou Quixote, Machado, Borges, Sartre, Tolstoi e etc reencarnado.

  4. Thiago
    Posted April 12, 2009 at 23:56 | Permalink

    Rapaz, eu durmo todo dia ao lado de minha estante de livros. Se for assim eu sou Quixote, Machado, Borges, Sartre, Tolstoi e etc reencarnado.

  5. david.leinad
    Posted April 13, 2009 at 09:12 | Permalink

    claro. entendi que era uma brincadeira. brinquei também. visito sempre o blog. gosto bastante. abraço.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*