SampaFogo 1/2

Cada time de futebol tem suas próprias particularidades e, ao longo da história de cada clube, certos detalhes vão ganhando corpo e se tornando quase folclóricos.

O São Paulo Futebol Clube, por exemplo, até há alguns anos carregava a fama de ter uma torcida abastada – “aristocrática”, cheguei a ler em algum lugar. Além disso, ela seria “mimada”, acostumada a ganhar títulos. Esta segunda premissa está correta; felizmente, o SPFC é um time vencedor. A outra talvez fosse verdadeira décadas atrás, ou nos primeiros anos de fundação do clube, mas hoje a coisa mudou bastante e de certa forma o São Paulo se popularizou: há são-paulinos espalhadados por todos os cantos do Brasil.

Já o Botafogo de Futebol e Regatas, nos últimos anos vinha ganhando fama de azarado, injustiçado. Nas últimas edições do Campeonato Brasileiro, o time carioca vinha sendo alvo de uma série de erros de arbitragem. Além disso, a administração do clube nunca andava muito bem. Sempre com uma crise financeira ou, se não isso, falta de dinheiro para investir em contratações “de peso”. Por essas e outras os torcedores do Botafogo sempre foram vistos como “sofredores”. Vale reproduzir o trecho genial de uma crônica de Nelson Rodrigues, que data de 04 de agosto de 1956:

“Todos os torcedores de futebol se parecem entre si como soldadinhos de chumbo. Têm o mesmo comportamento e xingam, com a mesma exuberância e os mesmos nomes feios, o juiz, os bandeirinhas, os adversários e os jogadores do próprio time. Há, porém, um torcedor, entre tantos, entre todos, que não se parece com ninguém e que apresenta uma forte, crespa e irresistível personalidade. Ponham uma barba postiça num torcedor do Botafogo, deem-lhe óculos escuros, raspem-lhe as impressões digitais e, ainda assim, ele será inconfundível. Por quê? Pelo seguinte: – há, no alvinegro, a emanação específica de um pessimismo imortal. Pergunto eu: – por que vamos ao campo de futebol? Porque esperamos a vitória. Esse otimismo é o impulso interior que nos leva a comprar ingresso e vibrar os 90 minutos. E, no campo, o otimismo continua a crepitar furiosamente. Não importa que o nosso time esteja perdendo de 15 x 0. Até o penúltimo segundo, nós ainda esperamos a virada, ainda esperamos a reação. Pois bem: – o torcedor do Botafogo é o único que, em vez de esperar a vitória, espera precisamente a derrota.” (“Vasco 0 x Botafogo 0”, no livro “O berro impresso das manchetes”; editora Agir, R$ 62,90).

São clubes, portanto, totalmente diferentes, São Paulo e Botafogo. Mas há algo que os aproxima muito: o fato de eles serem os maiores “fornecedores” de jogadores para a Seleção Brasileira de futebol em Copas do Mundo. É verdade que, na última convocação, nenhum dos dois emplacou nenhum atleta. Reflexo da globalização do futebol (apenas 3 dos 23 convocados atuam em times brasileiros; se bem que, desses 23, 4 jogaram pelo São Paulo). Mas ambos continuam – e devem continuar por um bom tempo – no topo desse ranking.

Recentemente, a proximidade entre eles ficou ainda maior, por conta da criação de uma torcida chamada “Sampafogo”. Amanhã vocês ficam sabendo mais sobre ela, em uma entrevista com um de seus integrantes-idealizadores.

This entry was posted in Futebol. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Posted May 19, 2010 at 18:54 | Permalink

    Como um bom botafoguense me identifiquei com o texto do Nelson Rodrigues, porém n acredito que sempre esperamos a derrota, elas simplesmente vem de um modo estúpido e quase inexplicável. rs As vezes parece que a exceção do ditado: “um raio não cai duas vezes no mesmo lugar” é justamente o Botafogo, rs. Por outro lado, essa essência meio loser, meio pessimista é o que proporciona uma alegria incrível quando ganhamos, porque o Botafogo só ganha quando não é favorito, rs. Apesar dos pesares, não troco meu Botafogo por nada, e justifico com as palavras do saudoso Armando Nogueira, um botafoguense apaixonado:

    “O Botafogo é bem mais que um clube – é uma predestinação celestial. Seu símbolo é uma entidade divina. Feliz da criatura que tem por guia e emblema uma estrela. Por isso é que o Botafogo está sempre no caminho certo. O caminho da luz. Feliz do clube que tem por escudo uma invenção de Deus.

    Estrela Solitária.”

    Precisa de mais? rs

    Quanto à SampaFogo, gosto da iniciativa de juntar torcidas de modo pacifico, um dia ousei ser São Paulino –quando eu ainda não sabia o que era ser Botafoguense rs– porque admirava, não sei porque cargas d’àgua, com meus 6 anos, um tal de Telê Santana…

  2. Rafael Rodrigues
    Posted May 19, 2010 at 18:59 | Permalink

    Túlio, se você não fosse botafoguense, eu diria que ainda há tempo de corrigir o erro e voltar a torcer pelo São Paulo. Mas como estou adotando o Botafogo como segundo time, ficamos quites hehehe

    Você, inclusive, tem nome de craque alvinegro!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*