perambulagens

a Diego Barreto Ivo (ou “o poeta”)

tenho sono
mas não posso dormir
pois tenho fome.

tenho fome
mas não posso comer
pois não há o que comer.

e então sigo perambulando
por essas ruas de um lugar qualquer
até o dia em que meu corpo desabar.

e nunca mais sentir nem fome nem sono
nem nada.

This entry was posted in Poemas. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

One Comment

  1. Thiago
    Posted March 28, 2007 at 17:10 | Permalink

    Gostei da poesia!
    Impactante…

    Abraços!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*