Pauta do dia: Capitu

Ok, agora vão chover posts por aí falando de “Capitu”, minissérie da Globo baseada em “Dom Casmurro”, de vocês sabem quem.

Muito provável que a maioria dos opinantes considere a adaptação moderna, inovadora e que ela rejuvenesce a obra centenária etc. Mas, sem mais delongas, não gostei do que vi.

Tirando uma ou outra cena, um ou outro diálogo, achei tudo moderno demais, inovador demais, rejuvenescedor demais para “Dom Casmurro”. Os efeitos utilizados cairiam bem em um filme hollywoodiano, mas, na minha opinião, não caíram bem na minissérie.

Colocar rock na trilha sonora é legal, mas não combina com a história (aliás, não tem nada a ver, por mais moderno e jovem que se queira parecer). A tensão que as cenas parecem querer provocar me deixaram mais que tenso, me deixaram nervoso. Por que não desliguei, então? Porque queria ao menos dizer que assisti a todo o primeiro capítulo, em vez de “vi um pedaço e não gostei”.

O romance não é assustador. Esse primeiro capítulo da missérie foi. Dom Casmurro, o personagem, não é tão sombrio como o apresentaram na telinha (se é que por acaso ele chega a ser algo perto de “sombrio”, no livro; não afirmo categoricamente porque que faz tempo que o li; mas Machado por Machado, acho que posso dizer que realmente ele não é sequer sombriozinhozinho).

Mas enfim. Vai ver eu sou conservador mesmo. A verdade é que estou doido pra reler “Dom Casmurro” já faz um bom tempo. Acho que começo na próxima semana.

This entry was posted in Livros, TV. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Posted December 13, 2008 at 01:53 | Permalink

    O maior problema, na minha opinião, é que a sensação que dá é que eles adaptaram o livro para uma peça de teatro e depois fizeram uma adaptação direta da peça para o vídeo.

    Isso é um mal da globo. A maioria dos diretores e atores vêem de um teatro metido a arte. Aí nasce aberrações desse tipo.

    Eu acho que a linguagem do cinema é a linguagem do cinema. Querer mesclar a linguagem cinematográfica com a linguagem do teatro sem ser um verdadeiro mestre (como Lars von Trier) é se humilhar em público.

  2. Posted December 13, 2008 at 20:34 | Permalink

    Eu amei a minisérie. Mesmo! Achei tudo com requintes de detalhes. Desde som, até figurino, fotografia,jogo de cenas, de diálogos… Moderno sim, mas de uma modernidade trabalhada em sua riqueza literária e teatral. A globo tem tentado e acho que está começando a acertar no estilo. Desde ‘O auto da compadecida'(em menor grau) e ‘É dia de Maria’ que isso vem acontecendo com maior requinte. Parabéns à emissora por essa abertura. A globo pisa na bola às vezes, mas tem muitas vezes que acerta. Ainda bem, né. O que seria da televisão brasileira sem essas tentativas? Além de bem feita (claro que tem uma coisa ou outra que poderia ser melhor, mas a completude da obra foi muito boa).
    No entanto, quem sou eu para falar além de uma telespectadora pouco assídua das telinhas. Sou das telonas e dos palcos do teatro. Dos dois em sou fã, sou fã também da telinha que se permite o novo.
    É isso!
    Estou aguardando que saia em DVD para eu comprar.

    Legal a idéia do post. Acho que vão chover opiniões que como vc criticam a minisérie. É bom isso! Sem críticas não se faz um trabalho bem feito.

    Vlw!

    Sue

One Trackback

  • By Post de links - 15 on December 13, 2008 at 01:23

    […] “Pauta do dia: Capitu” Ok, agora vão chover posts por aí falando de “Capitu”, minissérie da Globo baseada em “Dom Casmurro”, de vocês sabem quem. Muito provável que a maioria dos opinantes considere a adaptação moderna, inovadora e que ela rejuvenesce a obra centenária etc. Mas, sem mais delongas, não gostei do que vi. […]

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*