O Brasil, essa piada sem graça

Anteontem, quarta-feira, deputados e senadores aprovaram um polpudo aumento dos próprios salários, além de também reajustar os ordenados da presidência e da vice-presidência da república, e dos ministros de Estado. Os aumentos vão de mais de 60% a até mais de 130%.

Como bem diz – é preciso reconhecer – o editorial da Folha de São Paulo de ontem,

“Sem demagogia, não se deve ignorar que o salário do chefe do Poder Executivo e dos ministros estavam, de fato, depreciados, desde logo à luz das atribuições e responsabilidades que tais funções envolvem. Desde a década de 90, é sabido que muitos quadros qualificados deixaram a vida pública precocemente, atraídos pelas remunerações do setor privado.

Deveria haver, no entanto, uma maneira menos lesiva para a sociedade de corrigir tais distorções -por meio, por exemplo, de reajustes escalonados, menos estratosféricos e mais compatíveis com as circunstâncias do país.”

O que espanta é a cara de pau com que fizeram isso, na surdina, e de maneira extremamente ágil. Nunca antes na história deste país uma votação no senado foi tão rápida quanto a do aumento: a coisa toda se resolveu em cerca de três minutos.

319 deputados participaram da votação. Apenas 35 votaram contra. Outros 5 se absteram e o restante votou a favor.

No Senado, são 81 senadores. Destes, apenas TRÊS se manifestaram contra o aumento: Álvaro Dias (PSDB/PR), Jose Nery (Psol/PA) e Marina Silva (PV/AC).

Um dos deputados em quem votei nas últimas eleições foi a favor do aumento. O nome dele: Colbert Martins Filho, do PMDB. Nunca mais terá meu voto. Da Bahia, apenas um deputado votou contra o aumento: Bassuma, do PV, em quem votei para o governo do estado na última eleição. (Meu voto para deputado estadual foi para a legenda do PV.)

Sugiro que todos procurem saber como se comportaram os deputados e senadores em quem vocês votaram nas últimas eleições. Precisamos extirpar da política brasileira não um partido, como disse o presidente Lula meses atrás, mas sim políticos que não têm nenhum compromisso com o povo brasileiro, seja lá de que legenda for. Políticos que não têm vergonha na cara. Será que sobra algum?

Fontes:
Aumento imoral – editorial da Folha de São Paulo
Despesa com deputado vai a R$ 1,6 milhão ao ano – Henrique Gomes Batista, O Globo
Senado aprova aumento de 61,8% para parlamentares – Erich Decat
Câmara aprova aumento dos salários dos parlamentares – Erich Decat
Quem apoiou a votação do aumento para os parlamentares – Congresso em foco

This entry was posted in Posts avulsos. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

5 Comments

  1. Posted December 20, 2010 at 15:49 | Permalink

    Dificilmente um assunto relacionado à política traz consigo um sentimento de orgulho. Geralmente é vergonha mesmo…

    • Rafael Rodrigues
      Posted December 23, 2010 at 13:34 | Permalink

      Tens razão, João. É uma tristeza sem fim.

  2. Marina
    Posted December 22, 2010 at 13:20 | Permalink

    Sem generalizações, mas entre os que votaram contra é evidente que muitos queriam apenas fazer o marketing pessoal, afinal, como vc mesmo incentivou, existem eleitores preocupados que buscam saber como se comportaram os deputados e senadores em que votaram.

    • Rafael Rodrigues
      Posted December 23, 2010 at 13:33 | Permalink

      Boa, Marina! Acontece isso mesmo.

  3. Claudio
    Posted March 15, 2011 at 13:55 | Permalink

    o Brasil e uma piada sem graça, alem de termos o cancer da corupçao somos ofendidos por ideias que parecem nos chingar e fritar nossos cerebros em uma panela. Hoje fui a uma loterica fazer um deposito de 250 reais e descobri que so pode fazer deposito em uma conta ate mil reais por dia, pense: 1000 reais dividido por 180 milhoes de habitantes, isso e uma piada sem graça

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*