Ela perguntava com o olhar

* Há poucos dias reencontrei alguns cadernos velhos, nos quais escrevi uma porção de textos. Alguns deles, resenhas e/ou artigos sobre literatura, foram publicados internet afora. Outros, arremedos de ficção, se mantiveram inéditos, sequer digitados. De alguns eu nem lembrava; e, apesar de a maioria não ser grande coisa, gostei bastante de rever parte desses “inéditos”. O que segue abaixo é um deles. Nota: gostar não significa pensar que há qualidade.

Ele levantou, deu-lhe um abraço, um beijo rápido e disse “eu te amo, sabia?”. Ela parece não ter ouvido os dizeres do rapaz ou não estranhou a declaração em momento inusitado. Afinal, até para dizer “eu te amo” tem hora.

“E, aconteça o que acontecer, sempre vou te amar”, continuou ele, ambos já sentados. Ao ouvir isso, o sorriso que a garota carregava no rosto e a respiração ainda apressada por conta do atraso deram lugar a uma interrogação.

O “aconteceu alguma coisa?” que ela quis dizer não foi ouvido, até porque não foi dito. Mas ela perguntava com o olhar.

“Me dá só um minuto. Vou aqui e volto agora.” Ele precisava tomar coragem, mas só vendiam chope. “Um, por favor”.

Ela o esperava no meio da praça de alimentação de um grande shopping. Enquanto aguardava seu pedido, o rapaz imaginava o quão bom seria não ter aquela conversa. Não queria apagar o acontecido de dias atrás, mas queria mesmo é ser covarde e não contar nada a ela, fingir que nada aconteceu. Queria mentir, inventar uma falsa resposta para aquele olhar, só para não vê-la chorar. Sabia como aquilo ia acabar. Ela o deixaria, com certeza.

Desejou que ela entendesse aquelas duas frases que ele dissera assim que ela chegou, e que, quando retornasse à mesa, sentasse sozinho, com o alívio da não presença dela à sua frente.

Com o chope em mãos, olhou para a mesa. Ela ainda estava lá.

* O primeiro trecho itálico é um verso da música “Ela conversava com o olhar”, de Erasmo Carlos e José Lourenço; o segundo foi inspirado na seguinte estrofe da mesma canção: “Quase menti/ Falsas respostas/ Só pra não vê-la chorar”. A música está presente no disco “Pra falar de amor“, de 2001. O último trecho em itálico é uma referência ao microconto “O dinossauro”, de Augusto Monterroso.

This entry was posted in Posts avulsos. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

5 Comments

  1. @nairalouise
    Posted December 11, 2010 at 14:26 | Permalink

    Isso foi só pra deixar os leitores curiosos? Comigo deu certo! Agora tô querendo saber oq ele disse! #comofas huahuahua

    Um abraço Rafa

    Sucesso!

    • Rafael Rodrigues
      Posted December 11, 2010 at 14:33 | Permalink

      ah, mas aí é que tá: você tem que imaginar o que foi! hehe valeu, Nai!

  2. Posted December 16, 2010 at 17:52 | Permalink

    Ah! fiquei curiosa também…

  3. Posted January 13, 2011 at 21:26 | Permalink

    um texto enigmático, acho que todas as mulheres tem essa possibilidade de conversar com os olhos, e principalmente de fazer perguntas.
    Eu consegui imaginar toda a cena e confesso que consegui me ver naquela mulher, não na mesma situação, mas em seus olhos.
    Lindo.
    Parabéns.

    • Rafael Rodrigues
      Posted January 14, 2011 at 01:32 | Permalink

      Obrigado, Jhenifer! Fico feliz que tenha gostado do continho 🙂

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*