E então chegamos ao fim

When you’re feeling really great, that’s the time to write a tragedy, and when you’re feeling really down, make a comedy.” (Billy Wilder)

Falar, agora, o que estou sentindo parece-me impossível. Não poderia dizer que há uma enorme dor em meu peito, ou que uma tristeza sem tamanho se abateu sobre mim. Tanto faz se por que seria constrangedor demais ou se por que seriam expressões insuficientes e vazias, ou se, pior, não traduzissem a realidade. Mas agora pareço ter encontrado as palavras certas: confusão e cansaço.

É assim que estou: confuso e cansado. Os últimos dias não foram fáceis, e o que aconteceu ontem foi mais difícil ainda. Depois de quase cinco anos juntos, dividindo alegrias e tristezas – bem mais alegrias, diga-se –, nossa história se encerrou. E, a maior das ironias, finalmente posso utilizar um título que gostei desde o momento em que o vi: “e então chegamos ao fim”.

O intrigante – eu quase escrevo “engraçado”, mas não há nada de engraçado aqui – é que não houve um motivo específico para a nossa separação. Da mesma forma que nos aproximamos – de maneira involuntária, eu diria –, um conquistando o outro aos poucos, fomos nos afastando. Fico me perguntando se não seria melhor haver um outro, ou uma outra, que tivesse nos separado. Ao menos seria uma razão, algo concreto. Eis o motivo da minha confusão. E também do cansaço: na ânsia de tentar compreender o que realmente aconteceu, passei a última noite em claro – outro clichê – lendo e-mails que trocamos, nossas últimas conversas virtuais e tentando lembrar dos últimos contatos por telefone e, claro, dos nossos últimos encontros.

Tentei, também, lembrar de algo que eu teria feito que pudesse originar essa indiferença que passou a nos dominar. Não sei se feliz ou infelizmente, minha memória – que ultimamente anda fraca/falha, é verdade – nada revelou. Já a dela, eu não sei. E, apesar de, agora, querer saber, daqui a alguns dias nada mais me importará. Além do que, não haverá mais conversas, não se termina algo para se continuar uma outra coisa. Isso não entra em minha cabeça. Se não demos certo juntos, por que haveríamos de dar certo separados?

Não posso negar que ela ainda ocupa boa parte de meus pensamentos. Mas agora não em devaneios sobre o futuro ou ternas lembranças. Apenas me questiono se ela estaria em casa, sentindo-se também atordoada pelo fato de não mais sermos, ou se está por aí, em alguma festa, ou se saiu com alguma amiga, ou se simplesmente deitou-se e foi dormir o sono dos (in)justos.

Mas também não posso negar que a ideia de que, depois de tantos anos, finalmente poderei voltar a não apenas olhar e desejar outras mulheres, mas também abordá-las, e quem sabe levá-las para a cama, me seduz. Durante o tempo que passamos juntos, nunca deixei de admirar e olhar para outras, mas o respeito que tinha por ela – e continuo tendo, claro, apesar de agora querê-la bem longe de mim – e minha obstinação em ser fiel – o que me deixa com a consciência tranquila, afinal, ninguém poderá me recriminar, dizer que eu a traí e que por isso ela me abandonou etc. – me impedia de um olhar mais demorado, ou até mesmo de um flerte brincalhão, sem intenção alguma de ser nada mais que um flerte.

Agora que chegamos ao fim, estou livre para fazer o que eu bem entender. Inclusive ficar sozinho com essa enorme dor em meu peito e essa tristeza sem tamanho que se abateu sobre mim.

This entry was posted in Contos. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Posted July 26, 2009 at 21:59 | Permalink

    Rafa,
    Profundo, sereno, confiante, conflitante, parece aliviar e, de repente, pertubador. Muito bacana.
    A identificação acaba sendo inevitável… Quem nunca passou por momentos assim… com sentimentos semelhantes a estes… Seja indentificado com quem conta ou com o objeto do conto ou mesmo com história em si ema algum momento da vida.
    Adorei a forma de expressão.
    Lembrei de algo que acho que é de Kerouac ou Rimbaud (caramba… em alguns momentos minha memória me traí… já não sei mais quem falou, mas é algo que diz mais ou menos isso: “Entre dois amantes eternos ou circunstanciais sempre haverá um enorme diálogo sem fim…”
    Acho que é bem por aí… “Pessoas vivem em nós” e, pensando desta forma, às vezes, as coisas dão certo a distância… porque nada muda o que tem dentro de cada um e o que está dentro, talvez, esteja muito mais perto do coração e da memória mesmo que ela falhe às vezes.
    Beijo grande!
    Lu

  2. maira
    Posted July 30, 2009 at 21:27 | Permalink

    Rafael,
    Dia desses li esse texto, tamanho meu susto, não tive palavras para escrever na hora … mas o texto me seguiu… e ouvindo uma música no rádio, muito conhecida, só vc e o seu texto me vieram ao pensamento.. dizia assim:
    É o fundo do poço, é o fim do caminho
    No rosto o desgosto, é um pouco sozinho
    É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
    É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
    São as águas de março fechando o verão
    É a promessa de vida no teu coração
    pau, pedra, fim, caminho
    resto, toco, pouco, sozinho
    caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol
    São as águas de março fechando o verão
    É a promessa de vida no teu coração.

    Beijos

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*