Coitado do Jorge Pontual

OK, “coitado” é meio forçado, o cara tá bem de vida, jornalista competentíssimo etc., não é nenhum coitado. Mas me refiro à repercussão que uma piada do Pontual, no Twitter, gerou.

A piada, que eu retuitei, e muito mais gente retuitou, era a seguinte: “Se você receber um email intitulado: ‘Fotos nuas de Dilma Roussef’. Não abra!!! Pode realmente conter fotos de Dilma Roussef nua”.

Sinceramente, nada de mais. Ao menos não vejo nessa piada qualquer coisa digna de ser fazer um rebu como fizeram – e continuam fazendo – por aí.

Isso me fez lembrar de algo que vem martelando na minha cabeça há meses. Não sei como, me deparei com o seguinte blog: “Homem é tudo PALHAÇO”. Eu, como homem, e como não PALHAÇO (atenção para o capslock), me senti ofendido. Como assim “homem é tudo PALHAÇO”? Que PALHAÇADA é essa?

(Nem vou falar da questão de empregar a palavra “palhaço”, que é a profissão de muito homem sério por aí, pra não prolongar a conversa. Vamos continuar o post com o sentido pejorativo do termo – sentido esse, aliás, muito injusto.)

E aí pensei no que levou as garotas a criarem o tal blog. A mesma coisa que faria muito cara criar um blog assim: “Mulher é tudo VAGABA”. Não sei se já existe, não vou me dar o trabalho de buscar isso no Google, mas se existir, parabéns pros caras, dou a maior força.

Não, mulheres não são todas vagabas. Assim como os homens também não são todos palhaços. As garotas do tal blog, se forem inteligentes, e acredito que são, sabem disso, e o blog é mais uma espécie de desabafos contra alguns homens que são mesmo palhaços. Mas o capslock e o “tudo” podem levar alguém a se ofender ou ficar irritado ao ver isso, como eu fiquei – mas depois passou, acho. Ou não. Mas enfim.

A questão é que, tanto no caso da repercussão quanto no caso deste blog, há uma leve influencia do feminismo. Aquele movimento importantíssimo que deu às mulheres o direito de trabalhar e votar, por exemplo, entre outras coisas. Movimento, aliás, que continua ativo hoje, em defesa dos direitos delas, pois sabe-se que ainda há muito preoconceito e muito desrespeito para com elas. O problema é quando o movimento vira alicerce para reclames totalmente sem noção, como no caso da piada com o nome da Dilma.

Outra coisa que está ligada a isso tudo é o politicamente correto. Hoje, não se pode mais falar nadinha de mais. Qualquer coisinha já vem meio mundo de gente abrindo o olhão, falando “nossa…” e saindo de perto. Ou, pior, enchendo o saco com reclames raivosos e infundados.

Num outro tweet, Jorge Pontual pede desculpas pela piada, mas fazendo já outra, com a patacoada que fez na última semana o senador petista Aloízio Mercadante: “Mil perdões pela piada de mau gosto sobre a Ministra Dilma. Não faço mais. Decisão em caráter irrevogável.”

E, num outro post, respondendo a um dos que reclamaram da piada, pontual diz: “era apenas uma piada, de mau gosto, mas uma simples piada. Ainda contam piadas no Brasil sem segundas ou terceiras intenções?”.

Uma vez, há não muito tempo, houve no Brasil um jogadorzaço chamado Amaral. Se destacou no meio de campo do Palmeiras, atuou por outros times e teve a honra de também vestir a camisa da Seleção Brasileira. Amaral era raçudo, não era um gênio, mas era esforçado, e isso compensava a habilidade técnica um pouco acima do mediano. Faltou pouco para ser craque. Amaral é um cara tranquilo, gente finíssima, segundo consta nos autos futebolísticos, mas é feio. Amaral é feio. Assim como eu sou seco, magérrimo, quase um faquir.

O Casseta e Planeta fez uma brincadeira com o Amaral. Um esquete num campo de futebol, com pessoas correndo, gritando, assustadas, e uma voz de conde Drácula ao fundo, narrando algo que já não me lembro. Ao fim da cena, o narradori dizia: “Amaral, o cabeça de área de Nortre Dame”. Não lembro de o Amaral ter reclamado com ninguém ou ter processado os Cassetas. Também não lembro de homem nenhum ter aberto a boca pra defender o Amaral, dizer que isso não se faz, não se chama um homem de feio assim, em cadeia nacional.

Aliás, ninguém chamou Dilma Roussef de feia. A piada do Jorge não diz isso. Diz outra coisa. É uma brincadeira, apenas. Todos envelhecemos. A Dilma, quando jovem, dava um belo caldo. E reacionária, ainda, imaginem essa mulher… Mas o tempo passou, como vai passar pra todos nós. Daqui a uns tempos, as gostosonas de hoje, que se vangloriam de ter tudo em pé, as Melancias, Moranguinhos, Maçãs e sei mais lá o quê estarão todas caídas – peito, bunda, pelancas várias – e nós, homens, até os bonitões, galãs da Globo etc., estaremos todos caidões também, nem Viagra vai resolver, depois de não sei quantas décadas. Não há mal nenhum em envelhecer. Mas deve-se fazer com sabedoria e dignidade. Como fez a própria Dilma – apesar de a política ter lhe tirado um tanto de sua dignidade – e como fez o casal mais cuti-cuti da TV brasileira, Tarcísio Meira e Glória Menezes. Só não envelhece quem morre ou se mata quando jovem.

This entry was posted in A vida como ela é. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Posted August 26, 2009 at 09:35 | Permalink

    Eu não suporto mais esse mundo politicamente correto (tbm conhecido como CHATO!) Viva as piadas! Viva o bom humor!

  2. Roberto
    Posted August 27, 2009 at 03:46 | Permalink

    Esta mesma semana, o Casseta e Planeta fez uma enquete sobre a feiúra dos políticos homens.
    Qual a diferença?
    Com homem pode, com mulher não.
    Não é isso que é sexismo?
    Misoginia não pode. Misandria é a lei por lá.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*