Coisas engraçadas na Bienal

Três momentos hilários ontem, em Salvador:

Enquanto Mayrant falava do tanto de gente e do aperto dentro dos stands, um pai carinhoso que estava com o filhinho no pescoço, foi virar o guri não sei pra onde. O pé do menino pegou de raspão no cocoruto do maestro.

***

Eu não levei muito dinheiro desta vez, porque sabia que quanto mais eu levasse, mais eu iria gastar – e porque eu não tinha mais grana pra levar também. Em certo momento eu vi que se continuasse com o dinheiro na minha mão, correria sério risco de não voltar pra casa (estou exagerando, mas eu iria voltar sem um centavo sequer). Foi aí que peguei o pouco que me tinha sobrado e dei pra Cássia: “Toma, toma esse dinheiro senão eu gasto todo”. Só ela e Mayrant riram.

***

Passamos na frente do stand da editora Abril umas três vezes. Em todas as três vezes o mesmo cara abordou o maestro. Nas primeiras duas ele disse “não, obrigado”. Na terceira ele apenas ergueu a palma da mão, como se pedindo pro cara parar, porque já estava demais.

This entry was posted in A vida como ela é, Consumismo, Literatura, Livros. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Cássia
    Posted April 23, 2007 at 21:49 | Permalink

    Foram engraçadas mesmo. 😉

  2. Posted April 23, 2007 at 22:52 | Permalink

    Fui, pois vou todo ano, ainda mais pelos amigos do Fala Menino e dos amigos escritores que lá estão, mas não comprei nenhum livro dessa vez.

    abraços

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*