Chatô

É por conta de coisas assim que não vejo com bons olhos a mistura de dinheiro público e arte. Ao menos não quando a mistura requer muito mais dinheiro do que arte.

O ator Guilherme Fontes estava captando dinheiro pra fazer o filme “Chatô” desde antes de eu nascer, imaginem. O livro no qual o filme é baseado, do escritor Fernando Morais, nem tinha sido publicado ainda, mas o cara já estava captando grana.

Resultado: o filme está sendo produzido há quase 30 anos.

Certo, certo, é brincadeira minha. Mas, putz, desde 1995 que o cara tá captando recursos e nada do filme.

This entry was posted in A vida como ela é. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

3 Comments

  1. Thiago
    Posted February 24, 2008 at 11:27 | Permalink

    Parece-me que rolou altos problemas com isso. Porque ele havia captado recursos demais e usou com outras coisas. Por isso que o filme não ficou pronto até hoje.

    É a cultura brasileira. Ou vc acha que, por exemplo, faz sentido o governo dar 1 milhão pra Vanessa da Mata produzir o dvd dela?

  2. Posted February 24, 2008 at 13:28 | Permalink

    nosso sistema das leis de incentivo é bem melhor do que nada. mas, combinemos: é uma piada o mecenato no Brasil. as produtoras encaram as leis como potinhos d’ouro; as empresas acham que financiar projetos culturais é somente mais uma maneira de se fazer publicidade. haja paciência.

  3. Rafael Rodrigues
    Posted February 24, 2008 at 19:49 | Permalink

    Pois é, Thiago, esse negócio da Vanessa também me deixou intrigado. Ela não precisa disso, a gravadora podia muito bem bancar. João, tens razão no que diz. Só acho que deveria existir mais critério na liberação de recursos. Abraços!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*