Casa da mãe Joana

É quase certo que você saiba o significado da expressão que dá título a este post, mas não custa nada relembrar: ela é utilizada para se referir a uma bagunça, um local onde impera o caos. É como alguns se referem ao Senado Federal, ou às Câmaras dos Deputados e de Vereadores, por exemplo.

Mas “Casa da mãe Joana” (2008) também é o nome de um filme brasileiro estrelado por José Wilker, Paulo Betti, Antonio Pedro, Pedro Cardoso, Claudio Marzo, Laura Cardoso, Malu Mader e mais uma porção de gente, incluindo Juliana Paes. Além de contar com todos esses atores, o diretor do filme é o Hugo Carvana, que também é o mentor da história que deu origem ao roteiro, assinado por Paulo Halm. Com uma equipe de peso dessas, o filme só pode ser bom, certo?

Errado.

A ideia de Hugo Carvana até que é boa: quatro amigos, que moram juntos, vivem de golpes. No começo do filme eles estão passando a perna em um joalheiro, interpretado por Claudio Marzo. O Montanha (Antonio Pedro), se passa por um senador, enquanto Cardoso, Betti e Wilker fingem ser, respectivamente, motorista e seguranças do falso político. As coisas dão certo e eles faturam 100 mil dólares, se minha memória não estiver me pregando uma peça. Mas aí o personagem de Pedro Cardoso passa a perna nos amigos e vai embora com o dinheiro, acompanhado da esposa do joalheiro, que na verdade usa a loja como fachada: seu negócio mesmo é o tráfico de drogas.

Até aí tudo bem. Mas eles recebem uma ordem de despejo e, se não conseguirem pagar a hipoteca do apartamento onde moram, terão de arrumar outro lugar para morar. Para resolver a situação, eles não veem outra saída a não ser fazer algo que nenhum deles faz há muito tempo: trabalhar. A partir daí as coisas vão se desenrolando de tal forma que o filme se torna uma sucessão de piadas de mau gosto, sem graça, e com um roteiro completamente sem pé nem cabeça. E então o título se encaixa perfeitamente no resultado: “Casa da mãe Joana” é pior que a casa da mãe Joana.

Some-se a isso Agildo Ribeiro, um dos grandes comediantes deste país, em um papel pífio de um comendador que se tornou travesti. Sem falar na quantidade exorbitante de palavrões pronunciados sem qualquer razão. Aliás, fica aqui uma pergunta: por que em filmes brasileiros fala-se tanto palavrão? Sinceramente, não vejo motivo para se derramar todo esse linguajar chulo. Talvez seja para preencher os vazios deixados pela falta de criatividade de alguns roteiristas e diretores brasileiros.

Confesso que sequer terminei de assistir ao filme. Em determinado ponto, minha noiva e eu ficamos tão incomodados com a falta de qualidade dele que resolvemos assistir outro. Partimos para “O troco”, um filme “velhinho” (1999), com Mel Gibson, que eu já tinha assistido umas duas vezes, mas Cassia ainda não. Este, sim, um grande filme. Tanto que fiz questão de comprar o DVD, anos atrás.

This entry was posted in Filmes. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

7 Comments

  1. Posted May 25, 2010 at 21:01 | Permalink

    Rafael,

    Ando também decepcionado com o cinema nacional. Estamos tomando uma lavada dos argentinos. Você assistiu ao “Segredo do seus olhos”? Este filme retrata bem o que eu estou dizendo. Enquanto a Argentina faz filmes densos, sérios, com bons roteiros e excelente técnica, estamos patinando com filminhos tipo “Se eu fosse você” etc. O Brasil tem se destacado, sim, em documentários. Mas em filmes de ficção…

    • Rafael Rodrigues
      Posted May 26, 2010 at 13:58 | Permalink

      Wellington, não assisti ao “Segredo do seus olhos”, mas ouvi falarem muito bem dele. Pena que aqui na cidade ele não tenha passado no cinema, e acho que nem em DVD vai chegar. Nosso cinema tem até feito produções de valor, como “O contador de histórias”, que é um belo filme, o problema é que para cada filme bom, tem uns 5 ruins. Em relação a “Se eu fosse você”, vou discordar de você hehe. Acho que comédias como essa, despretensiosas, feitas para rir mesmo, são válidas. Afinal, o que seria de nós sem as comédias? Abração!

  2. Posted May 27, 2010 at 10:06 | Permalink

    Manteremos as discordâncias. rss!
    Acho que o Daniel Filho está acabando com o cinema brasileiro. E não suporto também o “bom-mocismo” do Tony Ramos.

    abração!

  3. Denise Oliveira
    Posted May 28, 2010 at 19:40 | Permalink

    Cinema brasileiro era melhor quando era mais trash…
    Poucas coisas, como “Amarelo Manga” e, esse sim, um belo filme de comédia, “Domésticas – o filme”, me animam um pouquinho. Palavrões bem colocados nem são “mal vindos”. E se é pra ser comédia despretensiosa e cheia de palavrões, que venham “Os Normais”! Abs.

    • Rafael Rodrigues
      Posted May 29, 2010 at 00:41 | Permalink

      Denise, concordo que, a depender do caso, palavrões não fazem mal. O problema é que em um grande número de filmes o palavreado chulo é utilizado gratuitamente, de uma maneira que chega a incomodar. Obrigado pelas dicas de filmes, não conhecia o “Domésticas”, vou procurar! Um abraço!

  4. Posted May 30, 2010 at 22:54 | Permalink

    Concordo com as palavras da Denise, ou melhor, com quase tudo. “Amarelo Manga” é o melhor (repito: o melhor) filme brasileiro dos últimos anos, na minha opinião, claro. “Domésticas” é mesmo um filme simples, mas bem interessante. Só não suporto “Os Normais” e acho que deve-se evitar ao máximo palavrão em filmes brasileiros – a não ser que a cena retrate uma porta batendo no dedo do ator. Aí ele pode soltar o verbo.

  5. agnello junior
    Posted August 13, 2010 at 22:12 | Permalink

    … uma comedia q me fez chorar de raiva! HORRIVEL !!!!!!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*