Bernardo Carvalho no Paiol Literário

Bernardo Carvalho, um dos autores contemporâneos que menos conheço mas, por conta de algumas declarações dele, mais admiro, foi o convidado da mais recente edição do Paiol Literário, promovido pelo jornal Rascunho em parceira com o Sesi Paraná e a Fundação Cultural de Curitiba.

Ele não foi está na lista do post anterior, mas estará na próxima, que não sei quando faço. Deixa ao menos eu ler um dos dois livros dele que tenho aqui. Pouco provável que eu não goste.

Abaixo, a declaração dele que mais me chamou a atenção, no Paiol.

Eu vivo num mundo de fantasia. Crio um tipo de literatura que eu acho que tem alguma importância porque preciso continuar criando, mas que, na verdade, não tem nenhuma importância, não tem nenhuma conseqüência social. E no capitalismo tem um negócio que se estabeleceu: o mercado. A arte já não funciona mais para o estado, para a religião, mas se também não funciona no mercado, ela não faz sentido. Isso é terrível. Nessa situação, eu sou nada. A minha literatura pode ser de resistência, mas é muito pequena, não tem o menor significado. É nada. O que eu faço é totalmente insignificante.

Bernardo pensa assim, e continua escrevendo. Até onde sei, ele não fica reclamando por aí, clamando por mais leitores e dinheiro. E não adianta rebater o que eu disse com o argumento de que ele é publicado por uma grande editora, que ele trabalha para ela e que, por conta disso, não pode reclamar. Nos dias de hoje, nêgo pode ser o dono da editora, que mesmo assim reclama pelos cotovelos. Tem autor editado por grande editora que não faz outra coisa a não ser reclamar. E o pior: nem escreve bem. Se escrevesse, até dava pra entender e engolir as lamentações. Sem contar que Bernardo Carvalho tem bom senso e é competente no que faz, qualidades que não encontramos em uma boa parte dos escritores brasileiros contemporâneos.

Enfim.

This entry was posted in Citações. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

3 Comments

  1. Posted August 23, 2007 at 19:04 | Permalink

    Caro Rafael,
    demorei a te encontrar. Fazia tempo que não te procurava pq vc andou mudando um pouco de endereços e eu havia desistido. Resolvi voltar à caça, dentre outros motivos com a intenção de te pedir um endereço para o qual enviar um livro.
    Atenciosamente,
    Sandro Ornellas

  2. Posted August 27, 2007 at 15:08 | Permalink

    Afu! O único que li de Bernardo Carvalho foi Medo de Sade, há uns cinco anos – acho. Realmente nunca se vê nada dele por aí. Não me lembro de ter lido algum artigo, crônica, ensaio ou trecho de obra sua em jornal, revista ou suplemento literário. Ele sempre me pareceu meio invisível, não sei se por opção ou porque ele ainda não caiu no gosto pop da mídia. De qualquer modo, acho legal teres lembrado dele. É isso aí. :o)

  3. Posted April 9, 2009 at 16:55 | Permalink

    Esou descobrindo o Bernardo Carvalho… No site rascunho tem outras declarações dele no paiol literário igualmente interessantes. Vale a pena conferir!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*