Aliás…

Nunca é tarde para se corrigir algum erro, injustiça ou idiotice cometida. Estou pensando bastante nisso nos últimos dias.

Isso tem e ao mesmo tempo não tem a ver com “Fup“, pequena grande novela do escritor americano Jim Dodge, que li nos horários de lanche dos últimos dias. Depois de comer, é claro – ou enquanto comia.

Jim Dodge vem ao Brasil em julho, by the way. Quem for à Flip (Festa Literária Internacional de Parati) irá vê-lo por lá. (Uia, ficou bem sonoro esse finzinho de frase, não?)

Sobre a leitura do livro, quero aqui agradecer publicamente a duas pessoas que me interromperam, e cortaram meu barato, justamente nas últimas páginas (dois clientes lá do trabalho), quando eu estava prestes a chorar no banco do shopping. Não seria deprimente, mas seria estranho (pra quem estivesse passando, não pra mim).

Livro bom, muito bom. Uma lição para quem quer aprender a contar bem uma bela história. Relerei alguns trechos do livro amanhã e domingo, para escrever uma resenha sobre. A sair no Digestivo.

No fim da leitura, no fim mesmo, “Fup” arrancou de mim um grande e emocionado sorriso.

Não se sorri muito assim nessa nossa vida.

This entry was posted in Livros. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

2 Comments

  1. Posted April 28, 2007 at 15:25 | Permalink

    Caramba, pensei que só eu conhecesse esse livro…

  2. Posted April 28, 2007 at 15:25 | Permalink

    Aliás, pensava também que o Jim Dodge já estava morto!

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*