A morte de Hunter S. Thompson e eu

Não conheço nada do jornalista e escritor americano Hunter S. Thompson, a não ser alguns títulos de livros. Acabou de ser lançado aqui no Brasil uma coletânea de textos dele. Foi o próprio Thompson quem selecionou os escritos de “O reino do medo“, publicado nos EUA em 2003 (“Kingdon of fear”).

Folheando o livro aqui na livraria, fiquei sabendo que Thompson cometeu suicídio em 2005, aos 67 anos. Deixou um bilhete dizendo “… 67. That is 17 years past 50. 17 more than I needed or wanted …”. Mais sobre a morte de Thompson e o bilhete inteiro aqui.

Eu vivo dizendo que prefiro a morte a uma vida vegetativa, no caso de alguma doença (Deus me livre e guarde). Quando vi que um outro, além de pensar da mesma maneira, teve a coragem de cometer suicídio, estremeci. Porque às vezes nem eu mesmo me levo a sério, e são tantas as pessoas que vivem com grandes sequelas e dificuldades – Thompson não teve nada, matou-se por tédio e depressão, ao que tudo indica -, que chega a ser uma blasfêmia negar a vida, por mais limitada que ela possa ser.

Não é a primeira vez que penso no assunto, nem será a última.

This entry was posted in A vida como ela é. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

One Comment

  1. Posted December 21, 2007 at 18:24 | Permalink

    Rafael, desejo que em 2008 o seu texto continue afiado como sempre! Tudo de bom e que a literatura possa encontrar cada vez mais espaço na sua vida.

One Trackback

  • By » Do suicídio Entretantos on October 1, 2008 at 03:17

    […] então eu, que já escrevi isto e isto, me perguntei: é justo impedir que alguém cometa […]

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*